Histórico:

- 05/06/2016 a 11/06/2016
- 17/11/2013 a 23/11/2013
- 13/10/2013 a 19/10/2013
- 04/08/2013 a 10/08/2013
- 28/07/2013 a 03/08/2013
- 29/07/2012 a 04/08/2012
- 22/07/2012 a 28/07/2012
- 03/06/2012 a 09/06/2012
- 27/05/2012 a 02/06/2012
- 22/04/2012 a 28/04/2012
- 25/10/2009 a 31/10/2009
- 18/10/2009 a 24/10/2009
- 19/07/2009 a 25/07/2009
- 07/06/2009 a 13/06/2009
- 10/05/2009 a 16/05/2009
- 03/05/2009 a 09/05/2009
- 26/04/2009 a 02/05/2009
- 24/08/2008 a 30/08/2008
- 22/06/2008 a 28/06/2008
- 08/06/2008 a 14/06/2008
- 01/06/2008 a 07/06/2008
- 25/05/2008 a 31/05/2008
- 18/05/2008 a 24/05/2008
- 11/05/2008 a 17/05/2008
- 04/05/2008 a 10/05/2008
- 27/04/2008 a 03/05/2008
- 13/04/2008 a 19/04/2008
- 30/03/2008 a 05/04/2008
- 23/03/2008 a 29/03/2008
- 16/03/2008 a 22/03/2008
- 02/03/2008 a 08/03/2008
- 24/02/2008 a 01/03/2008
- 17/02/2008 a 23/02/2008
- 10/02/2008 a 16/02/2008
- 03/02/2008 a 09/02/2008
- 27/01/2008 a 02/02/2008
- 20/01/2008 a 26/01/2008
- 13/01/2008 a 19/01/2008
- 06/01/2008 a 12/01/2008
- 30/12/2007 a 05/01/2008
- 23/12/2007 a 29/12/2007
- 16/12/2007 a 22/12/2007
- 09/12/2007 a 15/12/2007
- 02/12/2007 a 08/12/2007
- 25/11/2007 a 01/12/2007
- 18/11/2007 a 24/11/2007
- 11/11/2007 a 17/11/2007
- 04/11/2007 a 10/11/2007



Outros sites:

- UOL - O melhor conteúdo
- BOL - E-mail grátis


Votação:

- Dê uma nota para meu blog

Indique esse Blog


Contador:

Blog Sensual



És o meu sonho.

A ti prendi com minhas amarras.

E a ti estou preso por elas.

Meu delírio, meu mais profundo sonho.

 

Tiras de amor são o que nos prendem.

Correntes de paixão.

Envoltos, em cordas de esperanças.

Aprisionados pelas grades da loucura.

 

Não. Não uma loucura dos loucos.

Mais uma terna loucura cercada de magias.

Magias da paixão, do amor.

 

Somos prisioneiros, desse amor gostoso.

E do qual jamais, jamais...

Queremos nos libertar...

Ou fugir.

 

Porque estar preso a esse amor.

É simplesmente, um sonho.

Um sonho que não precisa de amarras, correntes, ou cordas.

 

(Autor: Fernando José da Silva)



- Postado por: Delírios de Poeta às 15h47
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




És frágil.

Mas com uma fragilidade incapaz de esconder-lhe a beleza.

Uma fragilidade que faz de ti, mulher.

Com uma capacidade imensa de amar.

Mas por sua fragilidade, também requer amor.

 

És frágil.

Simplesmente porque a fragilidade está no amor.

No jeito de amar e se doar a ele.

És a fragilidade mais bela que conheço.

 

Motivo de minhas alegrias.

De minhas esperanças.

Amor que me encanta.

És frágil, sendo mulher.

Mas és a porção mais deliciosa...

Da fragilidade.

 

(Autor: Fernando José da Silva)



- Postado por: Delírios de Poeta às 15h25
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Meu Refúgio

És meu refúgio.

Meu porto seguro.

Onde sempre vou me atracar.

És minha fortaleza.

 

De encantos e beleza.

Minha muralha.

Meu escudo.

Minha força pra lutar.

 

És o meu refúgio da tempestada.

Meu escudo contra as tormentas.

És enfim, a proteção do meu corpo.

E inteiramente da minha alma.

(Autor: Fernando José da Silva)



- Postado por: Delírios de Poeta às 15h02
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Recebemos um selo do BLOG:http://realmente.zip.net/ - do

amigo MARCELO BAFK,e Temos a agradável missão de repassar

para mais cinco amigos blogueiros e pedir que eles mantenham

a corrente, repassando para mais cinco. Essa é uma forma de

interagir e de todos participarem da brincadeira.

 

Eis os indicados:

 

http://bluerosa.zip.net

http://srferreira.zip.net

http://byraffuxa.zip.net

http://blairponjinha.blog.uol.com.br

http://bruxinha3.zip.net



- Postado por: Delírios de Poeta às 12h47
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Amor no escuro, é tateado.

Eu em busca de você e você em busca de mim.

Amor no escuro pega fogo.

É beijo ardente, e toques fortes.

 

Seguro você em meus braços.

Simplesmente pra cochichar, quero te amar.

Bem pertinho do seu ouvido.

Porque quero te acesa.

Quero-te fêmea no cio.

 

Em busca de amor, do meu furor.

Instantes mágicos, onde calmamente...

Sinto cada pedacinho do teu corpo.

Sendo tomado pelo meu.

 

Minha mão e minha boca, tateia teu corpo.

Minha lingua cheia de encanto desliza...

Buscando cada pedacinho do teu gosto.

Simplesmente para se acalmar, em tua gruta.

 

Com sofreguidão, busco o gosto do prazer.

Sinto teu corpo extremecer.

Ah! Desse amor, quero o mais gostoso.

O sabor do prazer.

 

Fitar-lhe nos olhos em meio a penumbra.

É no mínimo um desafio.

Apenas sinto-te deslizando pelo meu corpo.

O toque de suas mãos e a boca aveludada.

 

Que sem nenhum capricho, procura o guerreiro.

Pra simplesmente desafiá-lo.

Que prêmio maior posso lhe dar.

Senão o sabor do meu prazer...

Que a ti, jamais, jamais.

Conseguirei negar.

(Autor: Fernando José da Silva)

 



- Postado por: Delírios de Poeta às 18h33
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________






- Postado por: Delírios de Poeta às 18h21
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Marcas de um romance, cravadas no coração.

Digitais suas que se eternizaram.

Marcas de amor...

Às vezes inconstante.

 

Marcas de felicidade.

Que serão eternamente lembradas.

E relembradas...

 

Marcas de fidelidade, de compreensão.

De gestos de carinho, amizade.

Flores, perfume...

E beijos.

 

Há também as marcas de tristeza.

Momentos em que infelizmente esse amor não se entendeu.

Se tornou egoísta, ou por alguma razão.

Deixou de vibrar, forte, de pulsar.

 

Marcas de ilusão.

Amor pé no chão.

Que resiste a barreiras e ventanias.

Amor. Simplesmente amor.

 

Porque amor...

Não é felicidade todos os dias...

(Autor: Fernando José da Silva)



- Postado por: Delírios de Poeta às 18h18
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Vem e me toma.

Vem que sou teu.

Sem resistências.

Sem reticências.

 

Puro e simplesmente teu.

Toma meu corpo.

Toma o quiseres.

Leva de mim, meu melhor gozo.

 

Rouba-me todo o prazer.

Tire minhas forças.

Me leve ao cansaço.

Mas toma-me que sou teu.

 

Leve meus beijos.

Meu abraço, meus carinhos.

Leva-me a loucura.

Sem qualquer doçura.

 

Toma-me que sou teu.

Simplesmente...

Porque és minha....

(Autor: Fernando José da Silva)



- Postado por: Delírios de Poeta às 22h53
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Provoca-me emoções, que não consigo controlar.

És a rosa mais perfeita, flor mulher.

Provoca-me sensações mil.

Delírios...

 

Sou poeta, que se encanta, que te encanta.

És minha musa, fonte de inspirações.

Pra quem eu canto.

Delírios, que escrevo, bem ligeiro.

 

És a minha mais pura fonte de amor.

Da qual eu bebo.

E me embebedo.

Delírios sóbrio.

De um poeta...

 

...Extremamente apaixonado.

 

(Autor: Fernando José da Silva)



- Postado por: Delírios de Poeta às 22h41
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Espere... Apenas por um minuto.

Deixe-me caminhar contigo.

Ficar ao teu lado.

E seguir o teu caminho.

 

Fica tranquila não serei inoportuno.

Quero somente seguir os teus passos.

E calmamente pegar a tua mão.

Não se assuste com a minha companhia.

 

Porque és a minha devoção.

Não peço muito em troca.

Apenas um pouquinho de carinho.

Um capricho, um beijinho.

 

Espere... Não quero só segui-la.

Quero simplesmente caminhar.

E estar ao seu lado...

A todos instantes...

(Autor: Fernando José da Silva)

 



- Postado por: Delírios de Poeta às 22h15
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Eu hoje estou em um canto qualquer.

Por causa de alguém, uma mulher.

Que me roubou o sono, e levou o meu sorriso.

Levou enfim tudo que eu acreditava.

 

Meu amor próprio, minha auto estima.

Levou uma parte de mim.

A mais vaidosa, a mais valiosa.

Roubou meu coração, sou fruto da solidão.

 

Por causa desse amor, joguei tudo porta afora.

E agora vivo nos trapos de uma paixão.

Já não tenho mais nada, nem amor, nem razão.

A esperança deixou a minha porta.

Vivo eu e a solidão...

(Autor: Fernando José da Silva)



- Postado por: Delírios de Poeta às 22h10
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________






- Postado por: Delírios de Poeta às 18h10
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Lágrimas se perpetuam.

E não falo em lágrimas dos olhos,

Mas simplesmente as que não podem ser vistas.

Lágrimas do coração.

 

Um sorriso no rosto...

O que não significa que o coração não chore.

Um elo quebrado.

E basta somente um elo.

 

Lágrimas do coração.

Chuvas de verão.

Uma cascata talvez.

Fina, molhada.

 

O coração chora.

E seu grito de dor.

Não pode ser ouvido.

O coração chora, pela falta de um elo.

Quebrado, derretido...

(Autor: Fernando José da Silva)

 



- Postado por: Delírios de Poeta às 18h05
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Lágrimas se perpetuam.

E não falo em lágrimas dos olhos,

Mas simplesmente as que não podem ser vistas.

Lágrimas do coração.

 

Um sorriso no rosto...

O que não significa que o coração não chore.

Um elo quebrado.

E basta somente um elo.

 

Lágrimas do coração.

Chuvas de verão.

Uma cascata talvez.

Fina, molhada.

 

O coração chora.

E seu grito de dor.

Não pode ser ouvido.

O coração chora, pela falta de um elo.

Quebrado, derretido...

(Autor: Fernando José da Silva)

 



- Postado por: Delírios de Poeta às 18h05
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Confesso, que simplesmente fico maravilhado.

Cada vez que toco teu corpo.

Simplesmente porque és mulher.

Mais que mulher, és meu grande amor.

 

Confesso que fantasias mil me rodeiam.

Que sua sensualidade me perturba.

Simplesmente perco o controle.

Pelo simples fato de estar ao seu lado.

 

Confesso que sua nudez é meu capricho.

E que simplesmente na hora do amor.

Te devoro...

 

Confesso, que pra te amar.

Não preciso de sacríficios.

E que simplesmente admiro-te.

Mulher...

...Loba.

 

Porque simplesmente...

A única forma de não ama-la.

É esquecendo-te.

E na minha raia de loucura.

Esquecer-te jamais.

 

Porque te gosto assim.

Mulher.

Dona de mim.

(Autor: Fernando José da Silva) 



- Postado por: Delírios de Poeta às 23h09
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________






- Postado por: Delírios de Poeta às 22h51
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Um pouco do ficou.

Talvez um pouco de amor.

Um resto de tudo.

Uma mistura de amargura.

 

Quem sabe um tiquinho de prazer.

Um misto de dor, dor de amor.

Uma mistura de tudo.

De líquidos, de beijos.

 

Encandecente, indecente.

Um resto de nada.

Um pouco de tudo.

Um tiquinho de rancor.

 

No amor alegrias.

E tristezas que são compartilhadas.

Um pouco de tudo.

Um resto de nada.

 

Um tantinho de amargura.

Misturado a um frasco de tristeza.

Um tanto de amor.

Um resto de alegria.

 

No amor a única palavra de ordem é amar.

Mesmo com um pouco de tudo.

Ou um resto de nada...



- Postado por: Delírios de Poeta às 21h15
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




O quanto esperamos da vida.

Talvez eu seja hoje um pedaço do ontem.

E um pequeno resto do amanhã.

Esperamos alegrias, e muitas vezes colhemos tristeza.

 

Claro que a semeamos, senão não haveria outra razão para colhermos.

Um resto e talvez uma grande expectativa do nada.

Claro que temos sempre esperança.

De que um novo brilho no olhar irá surgir.

Ou que um novo sorriso vai brotar do rosto.

 

Talvez eu ainda seja eu.

Um pequeno pedaço do ontem.

Um resto do amanhã...



- Postado por: Delírios de Poeta às 21h07
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Ouça-me...

Cada frase que digo ao pé do seu ouvido.

Que te amo, e que esse amor é intenso.

Que és a razão dos meus dias.

E a felicidade intensa de minhas noites.

 

Ouça-me...

Tudo que digo ao pé do seu ouvido.

Que és o meu presente, meu passado.

E toda a intensidade do meu futuro.

 

Ouça-me...

Que o toque de minhas mãos.

Busca a sua total entrega.

Que meus beijos simplesmente passeiam por teu corpo.

 

Seu sabor e seu cheiro se perpetuam, no meu ser.

Simplesmente porque te amo, te desejo.

Em busca da sua entrega nunca desisto.

Quero você, mulher e por inteira.

 

Despida de qualquer medo.

De qualquer tabu...

 

Quero-te mulher.

Simplesmente porque quero ser seu homem.

A razão das suas insônias.

Dos teus desejos pecaminosos.

 

Quero ser o seu prazer.

Mas não só ele.

Quero ser o seu tesão.

Porque tu és definitivamente...

A mulher dos meus delírios.

 

(Autor: Fernando José da Silva)



- Postado por: Delírios de Poeta às 17h45
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Roubo-te a pureza.

Não que ela me pertença.

Roubo-te o que de mais puro tem a mulher.

Tiro-te qualquer visão, vendo-te os olhos.

 

Porque dessa cena...

Só interessa o amor.

Vendo-te simplesmente pra sentir seus toques.

Buscando entender o corpo com um único bailar de mãos.

 

Mãos ávidas, carinhosas e macias.

Que brincam no meu corpo.

Uma procura incessante pelo objeto do prazer.

Puro e simplesmente porque...

 

O que os olhos não podem ver.

Mas as mãos podem encontrar.

É o objeto do mais puro desejo...

De dois corpos enlouquecidos.

 

... Com um único objetivo amar.

Mesmo que olhos vendados.

Não possam enxergar.

(Autor: Fernando José da Silva)



- Postado por: Delírios de Poeta às 17h26
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________